:: TEXTOS QUE FALAM POR MIM :: ^^ By Dinho ^^

Para vc que gosta daqueles lindos TEXTOS: Românticos, Filosóficos, Poéticos, Teatrais, Engraçados, de Sua Autoria, Cronicas, Lendas, Fábulas... SEJAM BEM VINDOS, PARTICIPEM e DIVULGUEM entre os AMIGOS. UM GRANDE ABRAÇO!!! Obrigado por prestigiarem o Blog da COMUNIDADE das Mulheres e Homens mais lindos e inteligentes do Orkut. ^^ Música incidental: Rosa (Pixinguinha, na voz de Marisa Monte) ^^ (((☆Ðinђσ¹³:))) Criador da Comunidade e do Blog =]

Clique aqui para adicionar esta página aos seus favoritos!

sexta-feira, julho 21, 2006

MEUS PARENTES MORRERAM (Gibran, in Temporais, p.81)


Meus parentes estão mortos e vivo a chorá-los, na minha solidão e isolamento.
Meus amados estão mortos e o seu desaparecimento mergulhou a minha vida na desgraça.
Meus parentes estão mortos e as suas lágrimas e o seu sangue mancham os prados da minha terra e eu estou aqui, vivendo como vivia quando meus parentes e amados estavam sentados no trono da vida e a minha terra estava iluminada pelo sol.
Meus parentes morreram de fome e quem não morreu de fome, morreu pelo fio da espada e eu, vivo neste país longínquo, no meio de um povo alegre e satisfeito, que tem alimentos fartos e camas macias.
Meus parentes morreram de morte humilhante e eu vivo na paz e na abundância. Eis o drama que se desenrola no palco da minha alma.
Se estivesse esfomeado e perseguido, no meio da minha gente esfomeada e perseguida, os dias seriam menos pesados sobre o meu peito e as noites, menos escuras aos meus olhos, pois quem partilha do flagelo dos seus, sente o consolo que nasce do martírio e se orgulha de morrer inocente, entre os inocentes.
Mas não estou no meio do meu povo esfomeado, oprimido e martirizado. Estou aqui, além dos sete mares, protegido pela segurança, provido de todos os bens. Estou longe da tortura e dos torturadores e de nada posso me glorificar - nem mesmo das minhas lágrimas.
E o que pode o exilado distante fazer por seus parentes flagelados?
Sim, de que servem as elegias e o pranto do poeta?
Se eu fosse uma espiga de trigo no solo da minha pátria, o menino faminto me arrancaria e afastaria a sombra da morte com os meus grãos.
Se eu fosse um fruto maduro no jardim do meu país, a mulher prostrada me apanharia e me comeria para recuperar as suas forças.
Se eu fosse um passarinho, no céu da minha terra, o homem famélico me cacaria e com a minha carne, afastaria a invasão do túmulo em seu corpo.
Mas, ai! Não sou nem uma espiga de trigo, nem um fruto maduro na minha terra. E eis a minha infelicidade. Uma infelicidade muda, que me faz sentir pequeno, diante de mim mesmo e diante das sombras da noite.
Eis o drama doloroso que encadeia a minha língua e as minhas mãos e me deixa extenuado, vazio, sem vontade, sem iniciativa.
Dizem-me: "A desgraça da tua terra nada mais é do que um aspecto da desgraça universal e as lágrimas e o sangue que foram vertidos no teu país são apenas algumas gotas do rio de sangue e lágrimas que corre dia e noite nos vales e planícies da Terra".

Sim, mas a desgraça do meu povo é uma desgraça muda, preparada e executada por serpentes, nas trevas e no sigilo.
Se o meu povo se tivesse revoltado contra governantes tirânicos e tivesse perecido inteiramente na rebelião, diria eu que a morte pela liberdade é mais honrosa do que a vida na submissão. E quem penetra na eternidade de espada na mão, torna-se imortal - como a justiça é imortal.
Se o meu país tivesse tomado parte na luta das nações e perecido no campo de batalha, eu diria que a tempestade arranca na sua passagem os ramos verdes e os ramos secos e, que a morte na tempestade é mais honrosa que a morte na apatia da velhice.
Se um terremoto houvesse assolado a minha pátria e enterrado sob os seus escombros meus parentes e bem amados, eu diria que as leis ocultas obedecem a uma vontade superior 'a vontade humana e não devemos procurar penetrar nos seus mistérios.
Mas meus parentes não morreram numa rebelião, nem no campo de batalha, nem num terremoto.
Meus parentes morreram crucificados.
Morreram nas mãos estendidas para o Oriente, e o Ocidente, de olhos fitos na escuridão do espaço.
MORRERAM NO SILÊNCIO, POIS OS OUVIDOS DA HUMANIDADE SE FECHARAM PARA SEUS APELOS E GRITOS.
Morreram, porque não aceitaram aliar-se aos seus inimigos, como covardes; nem renegar seus amigos, como traidores.
Morreram porque não eram CRIMINOSOS.
Morreram porque eram pacíficos.
Morreram de fome na terra onde jorram o mel e o leite.
Morreram porque os demônios roubaram os produtos de seus campos e os rebanhos, de seus pastos.
Morreram porque as serpentes sopram o seu veneno na atmosfera, que antes era perfumada pelo hálito dos cedros e das rosas e do jasmin.

Meus e vossos parentes morreram, ó meus irmãos e compatriotas! Que podemos fazer por quem não morreu com eles?
Nossos lamentos não satisfarão a sua fome. Nossas lágrimas não aplacarão a sua sede. Deixá-los-emos perecer, sem fazermos uma tentativa para salvá-los?
Permaneceremos hesitantes, duvidosos, preguiçosos, distraídos do seu grande drama, pelas futilidades da vida?
O sentimento que nos leva a dar algo da nossa vida para salvar os que correm o risco de perder toda a sua é o único gesto que nos manterá dignos da luz do dia e da quietude da noite.
E o auxílio que colocamos na mão vazia que se estende para nós é o elo de ouro que ligará o que há de humano em nós, aos valores supra-humanos da vida.

(*N.T. Mansour Chalita: Durante a 1a guerra mundial o LÍBANO foi barbaramente castigado pelos turcos, por sua lealdade para com os seus aliados ocidentais [adivinhem?], sendo-lhes imposto um cerco total que impedia a chegada de qualquer alimento. Este cerco, tornado mais trágico pela invasão dos gafanhotos, que arrasou todas as plantações, provocou uma fome generalizada que levou para o túmulo mais de um quarto da população. Gibran vivia então nos Estados Unidos. A tragédia inspirou-lhe este artigo, MEUS PARENTES MORRERAM {pág. 81} e o intitulado "Nas trevas da noite", ambos do Livro "Temporais").

Foto: Ataque terrorista de Israel ao Líbano, onde crianças e civis de todas as nacionalidades, inclusive brasileiros, estão sendo mortos nos atentados.

http://port.pravda.ru/mundo/13-07-2006/11949-libano-0

7 comentários:

  • At 8:47 AM, Anonymous Rei 45 said…

    Bom dia! Obrigado pela visita em O SIRIRI. Pode pegar as imagens que quizer lá. Quanto ao link, assim que tiver um tempo faço o link. Boa sorte para voce tambem.. A luta sempre ...

     
  • At 5:52 PM, Blogger (((☆Ðinђσ¹³;))) said…

    Vlw, brow!!!

     
  • At 10:33 AM, Blogger -_Tenshi°Kawaii_- said…

    Oieeeeee!
    Nossa, que texto lindo! Profundo *-*. Pois é, guerra é guerra e num presta mesmo >_<".
    Parabéns, Dinho, o blog continua mto chique =D
    beijos ***;

     
  • At 5:56 PM, Anonymous tatiana said…

    muito bom esse texto ......alias esse seu blog é otimo ...é nada como a guerra para mobilizar os homens.....pena q desdeq o mundo existe..todas as guerras foram totalmente envaum...... PARABENS PELO BLOG

     
  • At 5:03 PM, Blogger Eti said…

    Esse texto é um tapa na cara.
    São os gritos que a humanidade
    está cansada de ouvir.
    Meu repúdio àqueles que podem calar esses gritos,
    e nada fazem.
    Vlw pela beleza da escrita,
    deste autor que admiro tanto!
    NAMASTÊ!

     
  • At 5:01 PM, Anonymous Anônimo said…

    Esse texto fala mesmo do sofrimento de pessas que perderam seus parentes.
    Sinto muito por eles mais se Deus quis o que podemos fazer.
    Por favor me mandei uma resposta de agradecimento OBRIGADO.

    MUITOS BEIJOS PARA TODOS!

     
  • At 4:02 PM, Blogger (((☆Ðinђσ¹³;))) said…

    Obrigado pela participação, meus queridos companheiros de jornada.

    Bjins!!!

     

Postar um comentário

<< Home